Compreendendo a Sua Coluna: Como Levantar e Carregar Objetos Pesados Apropriadamente (2a parte)

Featured

Use a Sua Coluna Para Aquilo Que Foi Pensada:

Precisamos compreender um pouco mais sobre como somos feitos e preparados para nos movimentarmos antes de distinguir o que significa uma forma boa ou mais adequada de carregar objetos pesados.

Primeira ilustração

vertebrae with disk © Ulf Tölle

 

 

 

vértebra

disco

vértebra

 

 

 

Aqui podemos ver duas vértebras: uma acima e uma abaixo de um disco intervertebral. Esta é uma coluna saudável e feliz em bom estado. A carga (a pressão do movimento) no disco é bastante central e a sua porção branca no meio – o núcleo pulposo – carrega a carga centralmente.

Quando nos flexionamos a nossa coluna movimenta-se da seguinte forma:

Segunda ilustração

compressed intervertebral disk with two vertebrae and unhealthy charge © Ulf Tölle

 

 

 

vértebra

disco intervertebral

vértebra

 

 

 

De novo, podemo ver as duas vértebras: uma acima e outra abaixo do disco intervertebral. Mas aqui, podemos ver que a carga já não está atuando centralmente no disco. A carga no disco está agora atuando unilateralmente na frente (na ilustração, isso corresponde à parte da direita) e a parte branca no meio do desenho 1 agora está deslocada para trás (ou seja, para a sua esquerda). O núcleo pulposo não carrega mais a carga centralmente e o disco já não parece tão feliz como na primeira ilustração.

Compressão é normal, mas…

A compressão no disco mostrada na ilustração 2 é perfeitamente normal. Os nossos corpos foram feitos para suportar um certo nível deste tipo de tensão e o nosso sistema colunar  – incluindo os nossos discos – conseguem lidar com elevações e carregamentos regulares durante vários anos, desde que nos mantenhamos dentro dos limites do nosso próprio corpo.

Mas vamos imaginar que colocamos uns 20 quilogramas a mais em um objeto que levantamos. Ficará muito pesado. E vamos imaginar que estamos segurando o objeto longe do nosso corpo, em vez de perto, a ação vai levar apenas alguns segundos e tem de ser feita. Que danos esta ação poderia fazer?

Mas existe uma desvantagem mecânica significativa em movimentar os nossos corpos desta forma. A alavancagem torna-se num fator maior e a compressão de um dos lados do disco fica crítica.

Raciocínio … ajuda muito

Talvez seja melhor considerar como podemos usar melhor esta ferramenta (a coluna), isto é, da forma que foi pensada para elevar o peso extra ao distribuir a compressão de forma homogênea na superfície do disco. Isto faz mais sentido mecanicamente, e assegura que as superfícies dos discos se mantenham paralelas (o que é bom para as nossas colunas).

Infelizmente, apesar de muitos profissionais de saúde-e-segurança compreenderem a necessidade de uma “vida com uma coluna direita”, nem sempre são os melhores a espalhar a sua mensagem.
Sermões sobre o que se faz mal tendem a fazer quem os ouve fechar-se se sentirem que estão sendo “criticados” por algo que eles não sentem ser nada de especial.

Renovando o respeito pelo nosso corpo

Em vez de simplesmente dizer às pessoas o que elas devem fazer, eu tento – através da aplicação da Técnica de Alexander – mostrar às pessoas como os seus movimentos afetam o seu corpo, e oferecer formas alternativas de se movimentarem. Ao elevar e carregar objetos, é melhor:

  • Ter uma coluna direita, mas não tão direita e rígida que faça com que se sinta desconfortável e colocando-se ainda mais em perigo (não se deve impor esta postura em si mesmo);
  • Usar as suas outras articulações – principalmente as dos quadris, joelho e tornozelo;

É vital minimizar a tensão física (e outras) enquanto se trabalha com pesos pesados. Se estiver levantando cargas pesadas por longos períodos de tempo, ou se começar a se sentir desconfortável, tome o tempo para uma pausa AGORA e procure uma forma nova, diferente, e melhor.

Ao adquirir uma melhor compreensão dos fatos anatômicos envolvidos, nós adquirimos um respeito renovado pelos nossos corpos e as forças envolvidas ao movimentá-los. Assim, seremos capazes de direcionar melhor essas forças e de fazer escolhas informadas e deliberadas.

 

Na próxima publicação do blogue, Dicas Sobre Levantar e Carregar Objetos Apropriadamente, Parte 3, vamos analisar os movimentos de virar e torcer ao levantar algo, porque isto é uma má ideia, e o que se pode fazer como alternativa.

Desejo um Próspero – e Saudável – Ano Novo para vocês.

Boas férias e um feliz carregar das malas (…com alças)

Compreendendo a Sua Coluna: Como Levantar e Carregar Objetos Pesados Apropriadamente (1a parte)

Dicas sobre Levantar e Carregar Objetos Pesados de Forma Adequada, Parte 1

Existem muitas profissões nas quais o levantar e o carregar são partes essenciais da vida no dia-a-dia – carpinteiros e marceneiros ao carregar lenha, jardineiros ao movimentar pedras pesadas, e enfermeiras ao ajudar os pacientes a entrar e a sair de camas e cadeiras. E mesmo para quem tem a bênção de ter um trabalho no escritório – onde a coisa mais pesada que terá que erguer todo o dia é uma caneta – existem ainda ocasiões nas quais precisa movimentar algum móvel ou outros objetos pesados.

 

Assim, mesmo que você esteja saudável e em boa forma – sem problemas pré-existentes na coluna ou nos joelhos – é importante que aprenda técnicas para levantar e carregar objetos para que não se machuque e consiga desempenhar as suas tarefas de uma forma amigável para com o seu corpo. Se você tiver algum tipo de condição pré-existente, por favor, consulte um médico generalista ou especialista antes de levantar cargas pesadas – isto é muito importante! Obrigado!

Não estou só tentando dar uma opinião que cubra tudo, de que “a minha forma de levantar objetos é a correta, porque eu digo assim.” Isso não é muito útil. O que eu quero fazer é mostrar as relações de causa e efeito entre o movimento e os respectivos resultados, e sugerir estratégias úteis baseado na análise racional do movimento. CONFUSO/NÃO ENTENDI: Apenas quando compreender que a sua forma de movimento tem um impacto no seu corpo, irá sequer considerar estas técnicas como sendo as “apropriadas” para levantar ou carregar algo.

Você já se deparou com a situação de ter que fazer um buraco na parede e não tinha as ferramentas certas?

Suponhamos que você esteja apenas fazendo algumas reparações na sua casa e precisa fazer um buraco na parede. Não tem uma furadeira à mão e, portanto, faz o buraco usando uma chave de fendas como alternativa. Não é perfeito, mas você consegue chegar ao seu objetivo. Agora que o seu buraco está feito, pode colocar o parafuso na parede e… oops… A lâmina da sua chave de fendas está tão desgastada por ter criado o buraco que não consegue agarrar bem no parafuso.

Cada parte do nosso corpo tem um propósito, tal como as ferramentas. Se usarmos uma ferramenta para algo diferente do seu objetivo inicial, pode funcionar, mas virá com um custo. Minha proposta é que, em vez de desgastar o seu corpo através de um uso incorreto, você concorde em:

  • usar cada ferramenta para aquilo que foi pensada;
  • usar cada ferramenta da forma que foi pensada para ser usada
  • aplicar pressão apenas dentro dos limites dos parâmetros materiais

Estas 3 regras básicas podem traduzir-se de maneira direta e eficaz nos critérios para um movimento saudável. Manter essas três regras em mente irá ajudá-lo a distinguir uma técnica correta para levantar e carregar objetos.

 

Use a Sua Coluna Para Aquilo Que Foi Pensada:

Precisamos compreender um pouco mais sobre como somos feitos e preparados para nos movimentarmos antes de distinguir o que significa uma forma boa ou mais adequada de carregar objetos pesados.

Fique atento à minha próxima postagem antes do Natal.

Gostaria de dar algumas dicas úteis sobre carregar as suas malas para ajudar a saie de férias com facilidade e cheio de sorrisos.

Cético em relação a mudar hábitos? Mas tem esperança que as queixas melhorem mesmo assim, hã?

E está cansado de procurar ajuda nos profissionais de saúde enquanto se encontra preso com os mesmos incômodos. Mudar hábitos?

Sim, … mas como?

Agora que você conheceu o Motion Mastery™, parece que este tipo de trabalho é diferente. Conforme leu com os depoimentos publicados aqui, pode ver que as pessoas estão entusiasmadas. E pergunta-me, “Ei, porque deveria o Motion Mastery™ ser diferente?”

Hmm … , essa pergunta é justa e não é o único que a fez. Parece uma pergunta que não incomoda só a você, mas, de uma forma ou de outra, a todos os alunos com os quais as nossas estradas se cruzam.

Não para todos, mas …

Eu quero ser muito direto e simplesmente admitir: eu conheci pessoas para as quais o Motion Mastery™ não funcionou para elas. Os depoimentos publicados aqui foram escritos por pessoas que realmente foram a fundo no seu envolvimento por uma solução para os seus problemas relacionados com o movimento e tensão.

Obrigadão – depois ter mudado hábitosPor exemplo, se tomar como exemplo o depoimento da Katie, ela tinha estado a procurar soluções em todo o lado, durante sete anos, antes de se ter deparado com o Motion Mastery™, e de ter praticamente desistido antes de nos encontrámos. E aí, ambos tivemos muita sorte – ela da forma como descreve aqui, e eu por ela estar sempre disposta a ouvir intensamente o que eu tinha a dizer e a mostrar.

Confie na sua experiência

Havia na Katie uma atitude intensa de ouvir e uma abertura que são tão necessários para o Motion Mastery™ criar o impacto que realmente pode ter. Todas as pessoas que sentiram o sucesso ao mudar hábitos e para os quais o Motion Mastery™ teve o privilégio de ser o seu catalisador para a mudança também apresentavam certa capacidade de escuta de si mesma e do outro.

©iStockphoto.com/PeskyMonkey

… o verdadeiro Norte?

Ao mesmo tempo, não se trata de acreditar em tudo o que foi dito antes de me conhecer (e nem depois). Mas eu preciso ser direto sobre este ponto de abertura:

Não se trata de acreditar nem de colocar a parte o seu ceticismo, mas, por favor, siga e confie na sua própria experiência. Sem essa abertura, este trabalho não pode ter sucesso.

Por exemplo: Quando eu trabalhei com a Claire pela primeira vez, ela não conseguia me dizer se havia algum tipo de diferença entre antes e depois de termos trabalhado.  Apenas por volta de quatorze dias depois (!) ela apercebeu-se que não tinha qualquer tipo de tensão na parte de trás do seu pescoço.  Ela estava aberta o suficiente para refletir e se perguntar “ei, espere um momento… o que se passa comigo mesmo?”. A tensão que ela usualmente sentia no seu pescoço e ombros era muito dolorosa. Ela somete conseguia alivio ao ter massagens com profissionais, porém a melhora não era sustentável – incontáveis vezes ela teve que voltar para a massagem quando sentia dor.

E você? Esse apoio em mudar hábitos iria beneficiá-lo?

Por favor, deixe-nos saber o que pensa abaixo.
Eu iria apreciar o seu comentário!

Eu sei que temos um curto período de tempo juntos aqui, mas as boas novas são: o Motion Mastery™ é especificamente desenhado para ajudar, de uma forma mais eficaz, na mudança de hábitos, melhorando a coordenação. Estarei em Porto Alegre entre 26 de Setembro e 20 de Outubro de 2014, portanto, se está farto de se sentir sempre preso com o mesmo problema e se deparou com o Motion Mastery™ – vale a pena experimentar. Se quiser saber mais ainda, experimentar na prática, apesar de eu não poder prometer sucesso logo na primeira sessão – mas dê-me umas cinco sessões e aí estaremos a falar…

 

Estarei em Porto Alegre a partir de 26 de setembro.

Quer saber mais?
Mais informações sobre os Pacotes de Iniciante Motion Mastery™ estão aqui:

Com o pacote “Em pessoa” — o pacote EP nós nos encontramos realmente em pessoa. Se você mora em Porto Alegre RS e quer aproveitar a ocasião de trabalhar comigo no período entre 26 de setembro e 20 de outubro 2014, você pderia, como estarei em Porto Alegre, dando aulas e cursos. Se você se empenha já, até dia 25 de setembro, pode reservar aulas com 15% de desconto. Ao chegar a Porto Alegre vou telefonar e marcamos a data da aula / das aulas.

ou

pacote para TP — de Treino Pessoal onde iremos nos encontrar em uma conexão Internet e o treino toma lugar quando quiser.

Se você sente que ainda está a pensar, “… mas ainda não consigo decidir”, então vamos sentar e beber um café ou chá juntos enquanto nos encontramos no Skype.

Clique aqui para marcar a sua Sessão de Claridade gratuita (15 – 30 min)

E se você quiser simplesmente entrar na nossa lista de mails, preencha o formulário à sua direita (no topo da coluna da direita) e reserve o curso de vídeo gratuito. Você sera muito bem-vindo!

Obrigado por ser curioso! Eu espero vê-lo brevemente, talvez até pessoalmente!

Alias – eu voltarei uma ou duas vezes por mês aqui com nova publicação no blogue.

Diversão no Movimento? Os seus Pensamentos Afetam Seriamente essa Capacidade…

Aos 65 anos, Nilly queria fazer as coisas corretamente e em segurança. Isto foi exemplificado pelo fato de ela já estar num lar para idosos enquanto ainda perseguia um estilo de vida saudável e ativo – caminhadas com amigos, viajar, etc. No lindo castelo perto do Lago de Constance, onde nós nos juntámos para o Curso de Verão há alguns anos atrás, ela reportou ao nosso grupo o quão chocada ela ficou quando se mudou para a sua nova residência e viu a fraqueza onipresente nos seus colegas e a sua incapacidade de se movimentarem com facilidade.

Está a colocar-se dentro da caixa?O motivo pelo qual ela veio ao curso eram os seus “problemas” na anca. Ela sentia uma dor difusa na região dos quadris, mas os doutores e até o especialista ortopédico não conseguiam encontrar algo que podesse ser a causa dessa dor. A sua sobrinha, que me conhecia e conhecia o meu trabalho, recomendou a Nilly que se juntasse ao nosso Curso  de Verão.

E, assim, lá estava ela. Esta interação com ela ainda vem à minha mente como se fosse ontem —
estávamos a conhecer-nos num ambiente de grupo e era a vez de Nilly para escolher uma atividade que ela gostaria de realizar. Como sua actividade ela escolheu andar, e pedi-lhe para mostrar como andava. Havia algumas coisas alarmantes que me chamaram a atenção, e uma delas era a sua forma de andar, que me parecia muito pesada.

Diversão no Movimento

Eu passei algum tempo a trabalhar com ela, e fiz com que ela andasse de novo. Após isto, conforme ela andava pelo corredor, perguntei-lhe se se sentia “igual ou diferente”. Ela respondeu: “Muito diferente”. Os outros participantes também relataram que a sua forma de andar alterou-se significativamente. Para mim, a sua caminhada parecia mais próxima de um movimento mais natural e fluido. Nilly disse que se sentia “muito mais leve e era mais fácil” para ela andar… e depois acrescentou, “mas eu não posso andar desta forma!!!”

Ficamos todos boquiabertos com esta resposta, pois ela tinha andado no corredor literalmente sozinha, para além do fato de tudo isto ter sido testemunhado com todo o grupo como testemunha. No entanto, ela rejeitou a sua experiência.

“O que quer dizer, Nilly?” Uh, porque uh a minha passada iria pareceria com a de um adolescente o meu comportamento seria incomum e as pessoas começariam a olhar para mim em tom de gozo! O que vão elas pensar?!?

Nilly, como muitas das clientes mais jovens com as quais trabalho, sofria de uma ilusão universal, porque nós acreditamos em certas coisas sobre nós mesmos nas quais nós criamos “a única verdadeira realidade”, quando na verdade, estamos a atuar de acordo com as nossas idéias preconcebidas, das quais o mundo não partilha. A passada da Nilly, na verdade, tinha uma aparência excelente, e a sua leitura sobre as mentes das outras pessoas valia a pena o esforço de testar isso mesmo: mas pelo contrário, elas gostaram da forma como ela estava a andar pelo corredor…

A CAIXA pensando lá dentro, ou lá fora?

Onde permitiu que outras pessoas o colocassem dentro da caixa?

E como é que se enclausurou lá dentro ativamente?

 

Pensando e  colocando-se dentro da caixa?

Está a colocar-se dentro da caixa?

Confiança para se movimentar em frente, um pé de cada vez, retirará o enclausuramento de uma caixa auto-imposta e resultará em melhor saúde. Isto melhorará a sua vitalidade, dar-lhe-á força para modelar o mundo e motivar os outros.

E nós queremos ter um impacto positivo no mundo, certo? Para além disso… divertir-se no movimento significa que já estamos progredindo no sentido de ter mais energia.

O processo que eu ensino no Motion Mastery™ é um treino para o ajudar a gerenciar a sua própria forma de se movimentar: “A qualidade de movimento torna-se numa escolha deliberada.” É aqui que a beleza da coisa reside.

Estarei em Porto Alegre a partir de 26 de setembro.

Se quiser tomar o próximo passo em melhorar os seus movimentos, clique no Pacote de Iniciante de Motion Mastery™:

Quer o pacote “Em pessoa” — o pacote EP onde nós nos encontramos realmente em pessoa, porque vive em Porto Alegre RS  e quer aproveitar a ocasião de trabalhar comigo  no período 26 de setembro – 20 de outubro 2014 quando estou em Porto Alegre, desta vez dando aulas e cursos.

ou

o pacote para PC — de Treino Pessoal  onde nos iremos encontrar com uma conexão Internet e o treino toma lugar quando quiser.

Se gostaria de se libertar da sua caixa de dor dolorosa, clique aqui para reservar a sua consulta de até  30 minutos gratuita.

Se quer inspiração até duas vezes por mês sobre como se movimentar com maior facilidade, (e menos dor) deixe o seu nome e e-mail na caixa azul no canto superior direito desta página”.

Eu espero vê-lo brevemente, talvez até em pessoa! Os seus comentários abaixo são mais do que bem-vindos. Obrigado por se manter curioso nesta jornada revigorante!

Dia 22 de outubro publicarei o meu próximo blog post. Até…